domingo, 25 de outubro de 2009

Amor virtual...

foi uma conversa sem um olhar
quem podia imaginar...
o que transportavam as palavras
de cada um...em sentimento
intrigante e peculiar

e (assim) o tempo foi passando
não querendo julgando...
nem explicando...algo de especial
nos juntava nos vazios diários

onde as nossas vontades se cruzavam
e os caminhos nos levavam...
e onde parecíamos ir a boleia...
não compreedendo esta coicidencia

esquecendo para onde iamos
o que importava era estarmos unidos
imaginava-me a dar a mão
e tocar numa realidade que sabia
não ser em vão

atropelado em perguntas...
injustificadas e não presenciais
que me deixavam ansioso
e cujas respostas eram todas as mesmas
eu pensei...gosto de ti.

Autor:
Tiago Campos

4 comentários:

  1. bem adorei este.....muito lindo mesmo......continua lindo....:)))

    ResponderEliminar
  2. sem duvida adorei também tiago...........escreves muito bem.....entao esse amor virtual esta lindo, pois hoje em dia e o que acontece mais,é apaixonar-se pela internet,podemos vir a ter algumas desiluçoes,mas por vesses sentimo-mos tão felizes por ser amados que esqueçemos que o mundo onde vivemos pará .....
    estou feliz por me deixar ler um pouco destes teus poemas....continua assim quem sabe não serás o proximo a editar um livro..... :)

    ResponderEliminar
  3. Este poema é de facto um sucesso!
    Com palavras simples e delicadas (ex. "não querendo julgando" e "imaginava dar a mão" descreves sentimentos reais nascidos no mundo virtual.
    O teu poema é uma história em si.
    Crias suspens e levas-nos assim até à última palavra.
    Suscitas curiosidade mas ficamos sem resposta e tenho vontade de te perguntar :

    O que é que aconteceu depois?

    Laura.

    ResponderEliminar
  4. Continua a imaginar e a viver as tuas emoções, quer sejam reais, quer sejam virtuais, continua a descreve-las na suavidade encandescente das tuas palavras que animam a tua poesia e os corações dos teus seguidores.
    Quanto mais te leio, mais te quero ler!
    Parabéns, não pares, continua... este poema ainda tem "pano para mangas", bora lá....

    ResponderEliminar